Pular para o conteúdo principal

Acreditar mais em si - a busca da fé

A gente diz tanto que tem fé e que acredita em Deus, mas na hora que é pra colocarmos em ação a nossa fé, desacreditamos dos desígnios de Deus, que é pai todo poderoso, de tudo sabe, e faz o melhor por nós. Dai ficamos batendo cabeça... Acreditar que ele faz o melhor pra gente é seguir em frente. E que as vezes o mal que parece ser é apenas momentâneo. Porque depois conseguimos enxergar melhor, como foi bom e libertador... As vezes estamos tão mal com a gente mesmo, que não percebemos um mundo la fora, que somos capazes de muito mais do que aquela limitação que se apresenta à frente de nossos olhos, de nossa pequena visão. Os planos de Deus são maiores, muito maiores. Ninguém nasceu pra sofrer. Perdoar? Sempre! Mas perdoar não é deixar alguém pregar um prego no seu coração setenta vezes sete vezes não... Isso já é masoquismo, Isso é abuso. E não so do outro. Abuso nosso, que nos tornamos permissíveis por achar que temos que aceitar tudo aquilo que vem do outro como se fosse amor. Nós somos capazes sim de emagrecer, de conseguir um emprego, de ser alguém melhor (materialmente e espiritualmente), tudo isso ajuda a auto estima. Basta acreditarmos em nós. Dói muito, é verdade. Qualquer mudança mexe com a gente. Mas as mudanças também fazem parte do nosso crescimento e desenvolvimento enquanto ser humano. Vamos desvencilharmo-nos das entraves que nos aprisionam ao sofrimento. Vamos ser felizes. Só depende da gente... Só depende de tirarmos as vendas e ver o lindo horizonte que está logo bem ali à frente. Esperando para que possamos alçar novos rumos, novas descobertas, novas felicidades. Vamos nos permitir. Vamos colocar em prática a nossa fé e lembrarmos que nascemos para ser felizes. Tenta aí, coloca em prática e depois me conta. Vai ser libertador! Paz e luz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“O conhecimento como compreensão do mundo e como fundamentação da ação”

Atentem para a evolução conforme a amplitude dos conhecimentos. Como era um relatório. De início comecei colocando dados das aulas, com tom pessoal. Até que começaram a ser produzidos textos com os temas abordados em sala de aula.
Segue o relatório:

A aula teve início com explanações e observações da última aula. Onde falamos que o estado da arte é o conjunto de fundamentos. Pois se trata do levantamento sobre o estudo de determinada área ou tema. Onde se pesquisa sobre o tema, verificando fatos que sejam coerentes e relevantes para a pesquisa.                 E o que da base ao pensamento são os argumentos, que por fim, formam a síntese. Então pensando sobre determinado assunto, vamos observar mais e melhor. E estaremos mais atentos para evitar equívocos pois o argumento é subjetivo.                 Nos foi apresentado também o “self” que seria como o nosso “personagem coletivo”.  Eu vou para um grupo e atuo, muitas vezes, como eles também atuam e quando me dirijo a um outro grupo, altero…

O importante é cativar-se

"Se queres um amigo, cativa-me" (Exupéry)

Cativar e cativar-se = criar laços de amor profundo com alguém e gostar de si mesmo, valorizando e valorizando os outros, é sem dúvida "coisa muito esquecida", como lembrou com tanto acerto a Raposa ao Pequeno Príncipe.
"Coisa muito esquecida" nessa "terra de granito", nesse mundo
conturbado
massificado
robotizado
teleguiado
poluído,
manipulad pelo interesse de grupos de poder, onde não mais se tem nome nem vez, apenas se é número: mais alguém na multidão: onde se corre e se luta para sobreviver, na incerteza do pão e na certeza do salário baixo; num mundo assim: quem ainda tem tempo para as coisas do coração?

No entanto, É QUESTÃO DE SOBREVIVÊNCIA, questão de vida ou de morte psicológicas e espirituais, parar e refletir sobre o problema.

O "páo-de-cada-dia", os "negócios", os "assuntos inter-e-multinacionais" sãocomo muito mais importantes para a maioria.
Amor verdadeiro, ainda existe…

Quando eu desejo que o meu melhor seja também para o outro

No cotidiano da vida perdemos a capacidade de olhar para o outro de forma sensível. Explodimos, gritamos, ofendemos, machucamos. A vida parece uma guerra. Algumas vezes para sanar um pouco a dor silenciamos, mas guardar tanta dor também machuca.Muitas vezes as nossas ações não condizem com aquilo que falamos. Então como ser exemplo dessa forma? A gente precisa pensar. Todos nós somos exemplos uns para os outros. Obviamente não existe ninguém perfeito. Mas a nossa busca deveria ser para que fôssemos pessoas melhores. Mas nossa busca é por dinheiro. Tudo bem, tudo envolve dinheiro, precisamos dele, é um mal necessário. Mas precisa ser o foco de nossas vidas? Vale a reflexão.
E quem amamos? Não vale um almoço juntos? Um papo gostoso, agradável? Um afago, um carinho? Uma tarde juntos?Somos seres ainda tão grosseiros, no sentido sensibilidade. A rotina nos cobre com uma manta preta, como uma venda, nos impedindo de elogiar o pequeno feito, de valorizar o outro. O outro, assim como nós, tam…